Um Blog Em Forma De Assim

The mystery of blog is greater than the mystery of death.

Wednesday, December 07, 2005

Aviões Ligados À CIA Aterraram Em Aeroportos Portugueses

Segundo uma notícia da edição de hoje do Diário De Notícias, 25 aviões ligados à CIA (link em inglês) fizeram aterragens em aeroportos portugueses durante o ano de 2005.

Segundo esta mesma notícia, o último aparelho encontrado no território português poderá ter sido o C-130, máquina registada pela Tepper Aviation, que passou pelo aeroporto das Lajes – localizado na ilha da Terceira, onde também se encontra uma base militar americana - a 28 de Novembro.

A notícia chega numa altura em que são muitas as dúvidas sobre o uso do espaço aereo europeu pela CIA. Tudo começou com uma notícia dada pela revista alemã Spiegel (página em alemão), publicada a 3 de Dezembro deste ano, que afirmou que mais de 400 aviões da CIA sobrevoaram o espaço áereo alemão desde 2002. A notícia surgiu pouco antes da visita da secretári de estado americana Condoleeza Rice (link em inglês) à Alemanha. Estes aviões podiam alegadamente servir para transportar presos terroristas para prisões fora do solo americano – o propósito disto seria levá-los a territórios onde são permitidos métodos de tortura proibidos em solo americano. Até agora, nenhuma das numerosas notícias sobre o assunto publicadas em vários cantos da Europa depois do furo do ”Spiegel” mostra provas de que os aviões que sobrevoam a Europa estejam realmente a transportar prisoneiros para este propósito – mas, se for o caso, isto constituiria uma grave violação dos direitos humanos e, segundo o direito internacional, os governos que permitiram aos aviões americanos utilizarem o seu espaço áereo seriam considerados cúmplices nestes delitos. Para agravar a situação, uma notícia do ”Washington Post” (notícia em inglês) publicada no segundo dia deste mês revela a existência duma prisão militar americana algures na Europa do Leste.

Em tempos recentes, tem havido vários escândalos sobre violações dos direitos humanos pelo governo americano, desde os supostos abusos na prisão militar de Guantanamo Bay (link em inglês) até ao caso Abu Gharib (idem.) As novas revelações vieram complicar as relações entre os Estados Unidos e os países europeus, numa altura em que Condoleeza Rice se encontra de visita à região. Rice, antes de embarcar para a Europa, afirmou que a América “não pratica tortura”, mas não se proclamou sobre a existência ou não de prisões militares americanas em solo europeu.

Segundo a notícia do ”Diário De Notícias”, os aeroportos preferidos pela CIA em território português são o de Ponta Delgada e das Lajes nos Açores, bem como o Fransisco Sá-Carneiro no Porto. A mesma fonte revela também que durante os últimos três anos, aviões de operadores relacionados com a CIA aterrarm um total de 59 vezes em território nacional.

O ministro dos negócios estrangeiros português, Diogo Freitas Do Amaral, vai-se deslocar na próxima terça-feira à Assembeleia da República para prestar clarificações sobre o assunto – avançou no entanto desde já que desconhece qualquer natureza ilegal dos voos registados.

Tuesday, December 06, 2005

Pondo as cartas na mesa, Vol.1- Música

Álbuns:

1-"Rubber Soul", The Beatles
2-"Original Pirate Material", The Streets
3-"Ready To Die", The Notorious B.I.G.
4-"The Clash", The Clash
5-"The College Dropout", Kanye West

Singles:
1-"Another Girl, Another Planet", The Only Ones
2-"Brand New Cadillac", Vince Taylor & His Playboys
3-"L'Anamour", Serge Gainsbourg
4-"Mama Said Knock You Out", LL Cool J
5-"Bay City Rollers We Love You", The Tartan Horde

Compilações:
1-"The Very Best Of", The Pogues
2-"Greatest Hits", Bruce Springsteen
3-"Sentimental Journey, Vol.3"
4-"The Very Best Of", Solomon Burke
5-"Just Can't Get Enough - New Wave Hits Of The 80's, Vol.5"

Caixas:
1-"Nuggets II: Original Artyfacts From The British Empire & Beyond"
2-"1-2-3-4! Punk & New Wave 76-79"
3-"The Disco Box"
4-"Cornology", The Bonzo Dog Band
5-"The Stax Story"

Assim já ficam com uma ideia...

Wednesday, November 23, 2005

Google Notícias

Pois é, o Google News agora também está disponível em versão portuguesa. É uma novidade agradável, claro: a Google tem sido um sinónimo de qualidade na internet, e o seu serviço de pesquisa de notícias não é, de forma alguma, uma excepção a essa regra. Uma ferramente imprescindível, uma vez que nos dá acesso instantâneo às várias coberturas de determinados eventos. Queixar-se de "information overload" não fará muito sentido nesse contexto - a Google Notícias serve para quem quer ter uma panorâmica geral de como os media (neste caso nacionais) estão a tratar um evento, não para quem quer pesquisar a fundo sobre um determinado assunto. Um bom jornalista, claro está, saberá pesquisar de modo crítico, dando o valor apropriado a cada uma das "fontes" que o Google Notícias disponibiliza.

Wednesday, November 16, 2005

Cidadãos Jornalistas?

"Cidadão Jornalista" - é um neologismo do momento. É portanto importante dar a posição oficial sobre o uso desse termo.

Convem, antes de mais nada, colocar uma questão: quando falamos de "cidadãos jornalistas", referimo-nos a indivíduos que apenas estiveram no local certo durante a hora certa, e conseguiram captar algo que depois foi divulgado pelos media? Ou estaremos a falar de pessoas que, não sendo profissionais no campo, dedicam uma parte considerável das suas energias ao jornalismo?

Comecemos pela primeira categoria. Cidadãos que, não exercendo qualquer actividade jornalística, presenciam algo de notável. Cidadãos estes que, depois disto, decidem publicar o que viram - seja em imagens, video, ou texto. Poderão ser considerados jornalistas?

Achamos que não. O jornalismo não é uma actividade espontânea. Se um turista consegue filmar uma vez na sua vida um desastre natural, e se a footage por ele captada acaba por aparecer nos noticiários, enfim, bom para ele. Mas se, depois disto, nunca mais participar no desenvolvimento de notícias, não haverá qualquer razão para o designar "jornalista".

As coisas tornam-se mais complicadas quando partimos de casos desses para os de indivíduos que contribuem, de forma regular e coerente, para o desenvolvimento das notícias, sem estarem ligados ao establishment jornalístico. Um repórter dum jornal amador, um dono dum blog, poderão apropriar o título de "cidadão jornalista"? A resposta: sim, se se mostrarem dignos disso.

Não vale a pena falarmos de formação profissional. Tudo que se aprende na universidade também pode ser descoberto através de livros, sites e contactos verbais.

Outras preocupações há, um tanto mais pertinentes. Estes "cidadãos jornalistas", empregues em blogs e jornais amadores, seguirão as regras do código deontológico e da ética jornalística? E será que, sem a hierarquia estrutural dos media tradicionais, não se poderá entrar num caos da comunicação, em que o que mais se vê é boatos e meias-verdades?

É nossa opinião que quem pergunta isso subestima o público. Se um jornalista amador quebrar as regras, perderá credibilidade perante os seus leitores. E se um blog só publicar boatos e desinformação, as pessoas não lhe darão respeito. Todos os media, sejam da autoria de profissionais ou amadores, têm que se curvar à boa-vontade do público. Ao longo dos tempos, os meios que publicam notícias crediveis irão ganhar a confiança do público, como sucedeu na Coreia do Sul com o OhMyNews; enquanto isso, os que abusam do seu direito de publicação, ou irão morrer ou irão ocupar lugares comparáveis ao "Crime" no cenário tradicional.

Não somos o Milton - não acreditamos que o direito de expressão leve automaticamente a que as opiniões mais populares sejam também as mais correctas. Mas entre isso e o despotismo esclarecido, a escolha não é difícil. "Cidadãos jornalistas"? Não faz sentido usar o termo. Use-se apenas "jornalista", para todos que, na cosnciência pública, o mostram ser, e explicitando "jornalista online" e "blogger" quando necessário.

Monday, November 14, 2005

Gainbsourg



"Provoke, always provoke. But stay human."
- Serge Gainsbourg

Tuesday, November 01, 2005

Yeah, I said it!

Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
hey, btw, how many interviews have you done in uni, so far?
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
I'ma do my first one this semester, for TV class!
You are a lover of bluegrass and women who play it. diz:
uh...counting internships, school papers, and regular assignments...I don't think I can count them.
You are a lover of bluegrass and women who play it. diz:
probably 50-ish, but really, I have no idea
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
haha.
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
you know what we do in press class here?
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
we MAKE UP interviews!
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
I kid you not!
You are a lover of bluegrass and women who play it. diz:
you'll forgive me for snorting audibly, I'm sure
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
every class, teacher tells us to come up with a little article wherein we interview someone - mostly current political figures, but sometimes we're allowed to choose
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
I interviewed H. L. Mencken last time!
Sir Rhowdy Rhatt, Infester Of Docks & Wharves On The Shores Of "Red Lake" Where The Elephant Legs Cool Their Corns, Meets... diz:
dude, you have fucking CARTE BLANCHE to snort at ANY AND ALL ASPECTS of this bloody travesty of a uni I'm in!

Fox News.com - Ascenção E Problemas

Fox News

Dentro dos media americanos, a Fox News ocupa uma posição deveras singela: odiada de forma praticamente unânime pelos liberals (termo americano comparável ao “esquerdista” europeu), e criticada até por muitos conservatives (equivalente para a direita) que a acusam de baixar o teor do discurso político, a estação de cabo é no entanto um dos órgãos mais influentes e criadores de polémica no país. Ao longo da sua existência, lançou as carreiras de várias figuras jornalísticas importantes (com destaque para o controverso comentador político Bill O’ Reilly), e – segundo os seus admiradores mais ferrenhos na direita – proporciona uma espécie de defesa dos valores conservadores, em face ao suposto liberal bias do resto dos canais televisivos noticiosos americanos.

Os representantes da estação em si discordariam decerto de tal ideia. Embora que, dentro do discurso político americano, seja dado como certo que a Fox News é de direita, a própria estação continua a definir a sua ética jornalística com slogans como ”Fair & Balanced” e ”We Report, You Decide”.

Apesar de ser uma estação relativamente jovem (a Fox News só existe desde 1996 – o que estabelece um forte contraste com a CNN, fundada em 1980, quanto mais as estações “tradicionais” como a NBC ou a CBS, que remontam aos anos ’20), a sua história pode já ser descrita como deveras complexa e recheada de polémicas. Não é o objectivo deste trabalho relatar detalhadamente todos os conflitos que têm envolvido a estação durante os anos – por isso, limitamo-nos a um breve resumo dos pontos mais importantes da sua existência.

A Fox News foi fundada pelo magnata Rupert Murdoch – dono também da Sky News – com o auxílio de Roger Ailes, anteriormente da CNBC. Alguns elementos do “staff” de Ailes na CNBC acompanharam-no na mudança para a Fox, e Ailes teve desde logo um grande nível de destaque e influencia na estação, acabando por ter sido feito presidente e CEO da empresa em Agosto deste ano.

O canal de cabo começou a sua existência em grau pequeno, estando disponível apenas para dez mil lares aquando da sua inauguração (um número relativamente minúsculo na arena gigantesca da televisão americana.) No entanto, a sua ascendência ao longo dos últimos anos tem sido astronómica, e segundo números recentes, a estação chega agora a oitenta e cinco milhões de clientes. As suas audiências gerais são superiores às dos concorrentes maiores (a MSNBC e a CNN), se bem que a CNN tem no total mais espectadores individuais.

Como já referimos, a Fox News está desde sempre rodeada por polémica. Aquando do seu início, foi imediatamente criticada por ter um tom tendencioso de direita, relacionado por muitos dos seus críticos com o pedigree dos seus líderes (Murdoch possui vários órgãos de media de cariz conservador, incluindo o New York Post e o Times; Ailes trabalhou para vários presidentes republicanos, inclusive Richard Nixon.) Bastante épica foi a famosa “luta por Nova Iorque”, na qual a Fox enfrentou a Time Warner (alguns artigos de opinião interessantes – se bem que, claro, pouco neutros – sobre o tema podem ser encontrados aqui, aqui e aqui.) Mais recentemente, a Fox tem criado controvérsia devido a uma tentativa de processar o cómico e comentador político esquerdista Al Franken, o adoptar do termo “bombista homicida” nas suas linhas editoriais, e vários incidentes envolvendo um dos seus comentadores mais bem conhecidos, Bill O’ Reilly (com destaque para uma acusação de assédio sexual, resolvida fora do tribunal, e o incidente Pepsi/Ludacris.)

O Site

O site da Fox News foi fundado em 1997, e durante os primeiros anos da sua existência não conseguiu captar a atenção do público. Em Maio de 2000, foi publicado um artigo crítico no Salon (um dos sites mais importantes do panorama web americano) sobre o assunto. Uma das razões frequentemente citadas para o fraco desempenho da Foxnews.com (principalmente quando comparado com o sucesso da estação televisiva) foi sempre a de o site, ao contrário dos seus rivais CNN e MSNBC, não possuir um “parceiro”. A MSNBC, como o próprio nome indica, está ligada à Microsoft; a CNN por sua vez tem um acordo com a AOL. Ora, uma vez que tanto a Microsoft como a AOL são servidores de referência (este último principalmente nos E.U.A.), as suas páginas tomam o papel de homepages para inúmeros computadores – e, tendo estas páginas sempre links noticiosos para a MSNBC e a CNN, respectivamente, é claro que estes sites recebem um fluxo enorme de visitantes casuais, vedado a outros sites como o da Fox News que não possuem parcerias desse tipo.

Mas não foi essa a única razão pelo fraco desempenho inicial do site. No artigo Salon linkado acima, Sean Elder encontra graves problemas técnicos:

”Searches don't work, pop-up windows don't scroll, the Java script on the front page seems to seep through every application (at least on my laptop).”

Para além das dificuldades técnicas, os anos iniciais da FoxNews.com também se caracterizaram por algum conflito ideológico. É que o site inicial funcionava numa base mais ou menos independente do canal televisivo. Na década corrente, foram dados passos sucessivos para projectar uma imagem online mais integrada nas linhas editoriais da estação televisiva, a começar com a nomeação de veteranos da televisão como Scott Norvell e Bert Solivan para altos cargos na administração do site em 2000. Durante os anos seguintes, a FoxNews.com tem envergado por uma política de adaptação à “imagem Fox News” que, pelos vistos, tem dado resultados. Numa entrevista com o Online Journalism Review, datada de Fevreiro de 2004, Bert Solivan explicita a forte ligação à estação televisiva:

”We're working in concert with the channel -- editorially, the production side. There's a very strong working relationship with the channel. I don't even look at it as a separate enterprise. FoxNews.com is part of the channel. I look at it that way. You have your finance department, you have your graphics department, you have your whatever department. FoxNews.com is just one of those departments.”

Na mesma entrevista, aprendemos que o número de visitantes triplicou desde 2000, e que em Dezembro de 2003 obteve um total de 4.5 milhões de visitantes. Embora que, mesmo em 2003, o site ainda não tinha conseguido a igualdade com a estação de TV (que nesse ano foi considerada a estação noticiosa mais vista, enquanto que o site se ficou pelo número quinze das tabelas Nielsen/Netrating), verificou-se de facto um grande crescimento em comparação à situação anterior.

O site actual da Fox News não parece ter muito em comum com a situação desastrosa descrita por Elder em 2000. Destaca-se uma forte componente vídeo (tal como é já hábito entre os grandes sites noticiosos, nesta era de banda larga), e uma grande valorização de conteúdos opinativos. O site parece orientar-se pelo consenso geral sobre a estação, isto é, que os seus maiores trunfos residem não na cobertura noticiosa, mas sim no comentário político. Por isso mesmo, a FoxNews.com proporciona amplo espaço aos seus comentadores, que publicam regularmente conteúdos disponíveis apenas online. Dentro da secção opinion, encontramos não só uma sub-secção de views e de inquéritos, mas também os blogs de várias “vedetas” do canal e uma secção 24 horas com updates constantes de vários colaboradores, incluindo o célebre O’ Reilly.

Se existe uma mensagem contínua no site, podemos com certeza dizer que se trata de estabelecer uma certa atmosfera familiar com o utilizador. Nomes de secções como FoxFan e Fox Connect falam por si. É possível participar em discussões, receber newsletters e até descarrregar screensavers e toques polifónicos temáticos. Mesmo o design do site – muito mais colorido e dinâmico do que o dos seus maiores rivais – aponta nesta direcção.

No entanto, apesar de todos os progressos feitos, a FoxNews.com – que em 2004 já contava com um “staff” de 40 pessoas, trabalhando metade delas no sector editorial – ainda está longe de ser um dos maiores pontos de referência do jornalismo online. Segundo os números da Nielsen/Netratings para Setembro de 2005, a FoxNews encontra-se de momento na posição 18 dos sites noticiosos mais visitados, bem atrás não só da CNN e da MSNBC (posição três e dois, respectivamente), mas também de órgãos menos gigantescos como a Google News (#13) e a Advance Internet (#11.) O número de visitantes continua a crescer – 7.3 milhões em Setembro – mas quando comparado com os 26 milhões da MSNBC, não oferece grande poder de luta.

E mesmo a tão-valorizada interactividade do site ainda tem os seus problemas – devo notar que, dez dias após ter enviado um e-mail ao endereço proporcionado pelo site, continuo sem qualquer resposta.

Thursday, October 27, 2005

He He He

"I do not believe in democracy, but I am perfectly willing to admit that it provides the only really amusing form of government ever endured by mankind."-

H. L. Mencken